Todos os posts por Leticia Santos

Dicas para segurança nas estradas
Compartilhe esse conteudo nas redes sociais

A Estrela do Oriente te fala 10 dicas úteis para evitar assaltos nas estradas. As recomendações foram  elaboradas pelo gerente de segurança do Grupo GR. Niv Steiman. Se não for possível fugir dos congestionamentos, siga as seguintes orientações:

1 – Dirija com vidros fechados, usando o sistema de ventilação e portas travadas

Dessa forma, você estará mais protegido e dificultará a ação de meliantes, pricipalmente se o carro for blindado. Nesse caso, deve-se lembrar que manter as portas travadas, o que nem sempre acontece.

2 – Evite também deixar à mostra embrulhos, pastas e bolsas

O ideal é colocá-los no porta-malas do carro. Evite ostentar o uso de joias, celulares, notebooks ou tablets, que são objetos de valor, que acabam chamando atenção de bandidos.

3 – Ao parar, fique atento ao retrovisor de seu carro e mantenha o veículo engatado

Ao ficar preparado para arrancar em caso de emergência, pode-se evitar uma abordagem por parte dos meliantes. Mas, para isso, o ideal é fazer um curso de direção defensiva para saber exatamente como proceder.

4 – Evite atividades que tire sua atenção do ambiente ao redor

Se você estiver lendo jornal, ou falando ao celular no meio do congestionamento, pode ser abordado de repente, sem chances de esboçar alguma reação.

 5 – Se perceber estar sendo seguido por outro veículo, aja com naturalidade

Nesse caso, a melhor coisa a fazer é seguir em direção a alguma via movimentada, mas de maneira que ninguém perceba que você já notou que está sendo seguido.

6 – Se  ocorrer uma leve colisão na traseira, não pare

Mais um caso em que é melhor seguir para um local mais movimentado e procurar uma viatura policial. Meliantes podem se aproveitar esse tipo de situação para assaltar.

7 – Nunca dê carona a estranhos ou preste ajuda em lugares ermos

Principalmente em horários avançados, em locais de pouco movimento, pode ser convidativo para ladrões agirem contra motoristas e passageiros.

8 – Se um dos pneus esvaziar sem motivo, evite parar num primeiro momento

Outra situação em que é mais recomendável não parar em qualquer lugar. Siga devagar, mesmo com o pneu furado até um local mais seguro e movimentado antes de fazer a troca do pneu furado.

9 – Não pare para discutir “fechadas” ou “batidinhas”

Infelizmente, também é possível que ladrões tentem provocar “batidinhas” ou fechadas para assaltar. Porém, mais uma vez, evite parar o carro, o que pode facilitar a ação dos bandidos.

10 – Procure não transportar valores quando estiver desacompanhado

Os ladrões sempre observam que tipo de objetos estão sendo transportados no carro e qual é o risco de darem o bote. Se o carro estiver com mais de um ocupante, as chances são menores dos meliantes decidirem atacar.

 

Fonte: Ig Carros.

Mercado de Galpões Logísticos Cresce
Compartilhe esse conteudo nas redes sociais

A NAI Brazil realizou uma consultoria, o mercado de galpões logísticos deve crescer este ano na região Sul, com potencial de absorção bruta em torno de 145 mil metros quadrados, crescimento de 30% em relação a 2017.

Segundo a publicação, com a inflação sob controle e a economia ensaiando uma sensível recuperação, o varejo já dá sinais de melhora e é possível prever redução da vacância. O setor deve recuperar parte das perdas, mesmo com forte pressão dos clientes para que as empresas de condomínios logísticos baixem o preço. “Conforme o ciclo, o inquilino ainda terá mais poder de barganha mesmo com uma perspectiva de retomada da economia”, explica Rogério Luz, gerente da NAI.

Desempenho
A Região Sul terminou 2017 com um valor médio pedido por metro quadrado de R$ 17,08 ante R$ 16,55 no mesmo período em 2016. A absorção bruta foi de 120 mil metros quadrados em 2017 ante 224 mil metros quadrados em 2016. Já a absorção líquida foi de 88 mil metros quadrados, conta 109 mil metros quadrados em 2016.

Cenário nacional
Ainda que o primeiro semestre de 2017 tenha registrado pouca movimentação, a segunda metade do ano mostrou números animadores, que projetam cenário melhor para 2018, de acordo com a NAI Brazil. A expectativa é de que em dois anos a relação entre demanda e oferta esteja mais equilibrada.
A absorção bruta em 2017 ficou 24% abaixo do que foi registrado em 2016. A disponibilidade já esteve maior e foi sendo reduzida ao longo do ano, mas encerrou 2017 nos mesmos patamares de 2016, próximo a 26%. “Mesmo que a entrega de novos empreendimentos tenha sido menor se comparada aos anos anteriores, a absorção líquida não evoluiu no mesmo ritmo e foi determinante para manutenção da disponibilidade ainda em patamares elevados”, informou o gerente nacional da NAI Brazil, Rogério Luz.
Ainda de acordo com Luz, o valor médio pedido por metro quadrado, no país, foi de R$ 19,03, ante R$ 19,29 no trimestre anterior. No estado de São Paulo, o preço pedido passou de R$ 18,65 para R$ 19,18. A absorção bruta no mercado paulista foi de 900 mil metros quadrados, e a líquida, de 368 mil metros quadrados. Foram entregues 58 mil metros quadrados no estado de outubro a dezembro. A vacância ficou em 27%, abaixo dos 28,8% do fim de outubro.

 

Fonte:  Setcesp

A importância do curso de MOPP no transporte de cargas perigosas
Compartilhe esse conteudo nas redes sociais

O carreteiro que dirige caminhão com carga perigosa deve ter sua atenção redobrada ao conduzir esse tipo de veículo, afinal, qualquer imprevisto pode ser fatal, tanto para ele quanto para as pessoas que estiverem próximas do local de um eventual acidente.

Produtos perigosos são todas as substâncias ou artigos encontrados na natureza ou produzidos por qualquer processo que, por suas características físico-químicas, representem risco para a saúde das pessoas, para a segurança pública ou para o meio ambiente. A definição deixa evidente a responsabilidade do motorista que transporta carga perigosa, e, para isso, ele deve estar preparado, pois esse tipo de transporte é cercado de exigências.

Uma delas é o curso de Movimentação e Operação de Produtos Perigosos, mais conhecido como MOPP.O curso visa conceituar o produto perigoso, mostrar a legislação específica e as responsabilidades na operacionalização e no tráfego desses produtos. Mas é importante ressaltar que esse curso não habilita o motorista para a condução de produtos perigosos.

Seu objetivo principal é proporcionar condições para que o carreteiro conduza o veículo com segurança, preservando a sua integridade física, a integridade da carga, do caminhão e do meio ambiente, além de prestar um primeiro atendimento emergencial na ocorrência de qualquer acidente. O curso de MOPP deve permitir que o condutor conheça e aplique os preceitos de segurança adquiridos durante o treinamento e faça uso de comportamentos preventivos e de procedimentos em caso de emergência, especialmente desenvolvidos para cada uma das classes de produtos perigosos.

Durante o curso – oferecido pelo SEST SENAT – são trabalhados temas como legislação de trânsito, direção defensiva, noções básicas de primeiros socorros, respeito ao meio ambiente, prevenção de incêndios e legislação de produtos perigosos. Os carreteiros que transportam produtos perigosos devem ficar atentos também ao curso de reciclagem obrigatório para todos os motoristas, independentemente da época em que foi realizado o curso de MOPP, pois o mesmo tem validade de cinco anos. Os trabalhadores do transporte são o público-alvo do curso de MOPP. O curso tem uma carga horária de 20 horas, sendo que o aluno deverá realizar uma avaliação ao final do curso e obter uma nota maior ou igual a 60.

Fonte: Setcepar

Segmento de transporte se recupera em 2017 e é o único do setor de serviços a crescer no ano
Compartilhe esse conteudo nas redes sociais

Mesmo com a queda de 2,8% no volume do setor de serviços em 2017, o segmento de transporte mostrou recuperação e cresceu 2,3% no ano, primeira alta desde 2014. Os dados são da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na última sexta-feira (16).

O levantamento também apontou uma variação positiva de 0,5% entre novembro e dezembro.Esse foi o primeiro segmento do setor de serviços a fechar um ano no positivo desde 2014, quando os serviços de informação e comunicação (4,8%) e o próprio transporte (3,1%) registraram crescimento. Em 2015 e 2016, por exemplo, o volume nesse último segmento caiu 6,1% e 7,6%, respectivamente.“O que podemos destacar é que o segmento de transporte realmente foi o único que teve, de fato, um crescimento consistente e uma reação. Isso se deve ao setor industrial, que é o grande demandante desse serviço e beneficia o transporte terrestre, o aquaviário – também impulsionado pelas exportações – e a armazenagem”, explicou o gerente da PMS, Roberto Saldanha.As duas atividades que impulsionaram o segmento foram o transporte rodoviário e o aquaviário, que, em 2017, tiveram altas acumuladas de 0,9% e 17,5%, respectivamente, enquanto armazenagem, serviços auxiliares de transporte e correios cresceu 8,1%. Somente o transporte aéreo apresentou queda, com baixa de 19,4% no ano.Na comparação entre este mês e igual mês do ano anterior, dezembro teve o primeiro resultado positivo para o setor de serviços após 32 meses. O crescimento de 0,5%, no entanto, ainda não é suficiente para apontar se essa é uma recuperação consistente do setor.

Fonte: Setcepar

TRANSPORTE DE PRODUTOS QUÍMICOS
Compartilhe esse conteudo nas redes sociais

Prezado Cliente,

Informamos que a partir  de 01 de Março de 2018 deixaremos de transportar  mercadorias, que sejam classificadas como produtos químicos.

O objetivo é de mantermos  nossa atuação em  transportes  de cargas dedicadas, cargas completas e fretes fracionados, para os diversos segmentos do mercado, excluindo então nossa atuação no transporte de produtos químicos.

Estamos a disposição para maiores detalhes e informações necessárias.

Departamento Comercial: (41) 3388-9898

CONHEÇA NOSSOS SERVIÇOS.

Entre em contato conosco. Teremos um enorme prazer em atendê-lo!

Loading...